DIÁLOGO COM CALVINO 04 – #DIÁLOGO 04 – LIVRO I CAPÍTULO IV

Embora exista a semente da religião em cada ser humano, dificilmente há alguém que faça crescer essa divina semente em seu próprio coração, muito menos alguém que faça, por conta própria, essa semente amadurecer ao ponto de aparecer os seus frutos. O aparecimento da semente divina no coração do ser humano é algo congênito a raça humana, ela foi dada por Deus a todos os seres humanos na criação, o crescimento dessa semente também é algo que independe da vontade humana. Continuar lendo

A INTOLERÂNCIA DA TOLERÂNCIA – PARTE 3

Tolerância faz parte da estrutura de plausibilidade da nossa sociedade. O termo “estrutura de Plausibilidade” foi criado pelo sociólogo Peter L. Berger e refere-se a estruturas de pensamento, ou seja, regras, verdades, podem ser verdades objetivas ou verdades subjetivas que uma determinada sociedade acredita e que de forma geral é quase inquestionável. Estas sociedades creem que estas regras e verdades em que elas acreditam é a própria estrutura da sociedade se manter em pé, se uma dessas regras ou verdades cair toda a sociedade corre o risco de desabar, assim, essas sociedades sustentam essas regras e verdades com maior obstinação. O que Carson defende em seu livro é que a “tolerância” faz parte dessas regras e verdades que a sociedade defende obstinadamente, ao ponto de todos aqueles que a questionam serem taxados de insensíveis e grosseiros. Continuar lendo

DIÁLOGO COM CALVINO #DIÁLOGO 3 – LIVRO I – CAPÍTULO: III

Para Calvino o ser humano ao ser criado já foi feito com uma disposição natural para a divindade (Sensus Divinitatis), ainda que essa noção fosse limitada, Deus não deixou de colocar em sua criação a noção de sua divina realidade. Além dessa noção natural infundida no ser humano Ele ainda destila novas gotas de sua realidade, continuamente, de maneira que todos tem em si mesmo o testemunho interno de que Deus existe e que é o seu Criador, a despeito de toda essa revelação interna, o ser humano não presta o culto devido a Deus e não consagra a vida a sua vontade, por isso são indesculpáveis. Continuar lendo

DIÁLOGO COM CALVINO #DIÁLOGO 2 – LIVRO I – CAPÍTULO: II

No primeiro diálogo vimos que Calvino nos ensina que quase todo o conhecimento verdadeiro e sólido que o ser humano pode ter, consiste de duas partes – o conhecimento de Deus e o conhecimento de si mesmo, e inevitavelmente, ao olhar para si mesmo o homem será direcionado para o conhecimento de Deus, pois a bondade que encontramos nas pessoas e através das pessoas é uma consequência delas subsistirem em Deus. O mundo elogia atitudes de amor e conclama de que tais pessoas são merecedoras da justa retribuição de Deus, o evangelho ofende o ser humano natural porque diz que o ser humano é mal e que toda bondade vista através da vida dos seres humanos é subsistência em Deus. A bondade com a qual somos atingidos são flechas que Deus nos manda através das pessoas para que sejamos instigados a busca-lo e conhece-lo. Ao olhar para nós mesmos somos direcionados para Deus, pois há coisas em nossas vidas que são empréstimos de Deus ao ser humano; ao olharmos para Deus descubro quem eu sou de fato. Para conhecer-me preciso conhecer, em primeiro lugar, Deus! A não ser que eu queira ter uma falsa impressão de quem sou no mundo. Continuar lendo