MORO NUM PAÍS ENGRAÇADO DE NATUREZA…

MORO NUM PAÍS ENGRAÇADO DE NATUREZA…

O Brasil é um país engraçado, não porque ele tenha formas que nos faz rir, mas porque o povo que nele mora age de maneira a nos fazer rir. Rimos de tantas coisas que acontecem nesse Brasil, rimos das incoerências; rimos de um povo que é facilmente influenciado pela mídia; rimos de um povo que não tem critérios próprios para tomar suas decisões; rimos uns dos outros; rimos de um povo que quando deveria se calar, esbraveja e se impõe; rimos de um povo que se cala, quando deveria falar aos quatro cantos sobre as coisas que ouve e vê; rimos de nós mesmos, de nossas misérias. Esse é o país do riso, rimos, rimos e rimos, quando deveríamos chorar.

Desde que o controverso pastor Marco Feliciano foi eleito presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM), temos visto a guerra, que tem sido travada nas mídias, para que ele deixe, ou seja, retirado do cargo. Embora a eleição de Marco Feliciano tenha sido legitima, muitos, em boa parte impulsionados pelas mídias, querem tirá-lo do cargo, ao qual julgam que o deputado e pastor Marco Feliciano seja indigno de ocupar, por causa de suas muitas declarações polêmicas e também por acreditarem que sendo o pastor Marco Feliciano, um fundamentalista, como dizem alguns, o direito das minorias, principalmente homossexuais, não serão levados em conta inclusive podendo prejudicar os avanços alcançados até aqui.
Com relação a as leis que o presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, poderá ou não aprovar é bom nos atentarmos ao que disse o Senador Magno Malta “Quem preside uma comissão não quer dizer que é ele que vai aprovar projetos sem o colegiado. O presidente coordena os debates e esgotando os debates vai-se para a votação e na votação quem ganha é a maioria”.[1] É uma ilusão nossa presumir que apenas um homem pode decidir tudo o que passa pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias. A meu ver, aqueles que tão ferozmente tem defendido a saída do pastor Marco Feliciano da presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, são movidos por ignorância em relação ao fato de como são tomadas as decisões dentro dessa comissão e ao preconceito em relação ao Deputado Marco Feliciano que também é pastor.
Não concordo com todas as declarações do deputado e pastor Marco Feliciano, embora ele seja extremista e muitas vezes faz uma hermenêutica errada da Bíblia, acredito que ele é muito melhor que vários outros políticos que ocupam cargos importantíssimos no nosso Brasil. Eu pergunto a você, querido leitor, não será pouco barulho por nada? E o que dizer de homens que foram acusados, julgados e condenados pela justiça e que estão livremente exercendo cargos importantíssimos, como é o caso de José Genoino e João Paulo Cunha que fazem parte de uma importantíssima comissão de nosso país, a Comissão de Constituição e Justiça. “Genoino foicondenado a 6 anos e 11 meses de prisão em regime semiaberto por corrupção ativa e formação de quadrilha. João Paulo Cunha deverá cumprir 9 anos e 4 meses de prisão em regime fechado por peculato, lavagem de dinheiro e corrupção passiva”.[2] No entanto, ambos estão por ai, livres e assumindo cargos públicos. Por que não protestar contra eles e contra tantos outros políticos corruptos que estão em nosso Brasil? Por que não pedir a saída desses políticos corruptos, assim como vemos com o deputado Marco Feliciano?
Por isso digo: Eita Brasilzão engraçado! Quando vejo esse tipo de situação, noto como o nosso país é, em sua grande maioria, formado por pessoas altamente influenciadas pelas mídias, pelas massas, pelas opiniões dos outros. É para rir ou pra chorar?

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *