O PREGADOR, UM FAZEDOR DE PONTES

A pregação é um trabalho árduo. Só nega esse fato, quem negligencia o seu estudo, e preparação, em outras palavras, quem faz de qualquer jeito.  A preparação de um sermão começa com a oração, a exegese do texto, em outras palavras, é fazer um estudo diligente da Palavra de Deus no seu contexto, buscando discernimento através de um estudo sistemático e discernimento através da oração, relacionando as histórias antigas com as pessoas no mundo moderno. O pregador é um fazedor de pontes, ele liga o mundo da Bíblia com o mundo moderno, de maneira que aquele acontecimento, que ocorreu no passado possa trazer e ter um significado, como também uma lição pratica, para os ouvintes atuais e acertar em cheio, os seus problemas existências, agora no presente.

 Não é tarefa fácil, entre entender o mundo antigo e fazer uma ponte com o mundo moderno, tornando a pregação menos abstrata possível, e relevante, para um publico que busca desesperadamente, uma Palavra de Deus. É trabalho que leva tempo para ser preparado. Mas é um dever de todo ministro, que foi chamado para anunciar as insondáveis riquezas daquele que nos chamou para uma esperança viva. Devemos proclamar em alto e bom som, que ha esperança! Da maneira mais clara possível.
As pessoas passam, por diversas situações, durante a semana, às vezes, um incidente que interrompe abruptamente a vida de um ente querido, deixando a todos atordoados, sem esperança, sem rumo, sem alegria, ou, outras vezes, alguém perde o emprego, a fonte de renda que trazia todo o sustento para aquela família. O desespero começa a tomar conta daquele lar. Sem mencionar, outros tantos problemas, que passamos no dia-a-dia e que necessitamos de uma Palavra de Deus, uma orientação de Deus para aquela situação.
As pessoas passam por diversas situações durante a semana, e quando chegam ao Domingo, elas tem esperança, ou criam a expectativa, de que ouvirá uma palavra da parte de Deus, através da pregação. Portanto, quem anuncia a Palavra de Deus, não pode negligenciar o seu estudo diligente. Quando deixamos de contextualizar a Palavra de Deus, e de fazer “pontes”, entre o mundo bíblico e o mundo moderno, as pessoas vão embora para as suas casas, vão embora para as suas realidades, cheios de história, que não fazem nenhum sentido para a sua existência, que não fazem nenhum sentido para a sua realidade, com mais dúvida do que com esperança. A pregação nesse caso, tornar-se mais um discurso religioso qualquer, e não a proclamação da Palavra viva de Deus, que traz consolação e esperança, para o coração sedento do homem.

 

Da próxima vez que você tiver a oportunidade, e privilegio de ser um fazedor de pontes, anunciando a Palavra de Deus, pense na responsabilidade e não negligencie o ministério que Deus te deu. Estude diligentemente a Palavra e tente relacionar aquilo que aconteceu no passado com a vida das pessoas, agora, no presente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *