O QUE É AMAR O PRÓXIMO COMO A SI MESMO?

“Ele respondeu: Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todas as suas forças e de todo o seu entendimento e Ame o seu próximo como a si mesmo”. (Lucas 10.27)
Nós vivemos em uma época onde os valores estão invertidos, vivemos em uma época onde o que é certo está, constantemente, sendo subvertido em nome do prazer, em nome da autoestima. Buscar o prazer, buscar a própria felicidade, está acima de todas as outras coisas, este é o quadro da nossa sociedade, até mesmo de muitos que professam o cristianismo. E como o espirito de nossa época está na contra mão de Deus e na mão do mundo, o maior pecado não é mais o fracasso em honrar e agradecer a Deus, mas o fracasso em amar a Si mesmo. Rebaixar a Si mesmo, não rebaixar a Deus, é o mal. E o grito de libertação não é: ‘Miserável homem que sou, quem me libertará? ’ mas: ‘Grande homem que sou, gostaria de ver isso melhor’!” (PIPER, 2003, pág. 173).  

O ser humano hoje ao se olhar no espelho diz: “eu sou lindo”, “eu sou bom”, “eu sou esperto”, “eu sou capaz”, ele não diz: “miserável homem que sou, quem me libertará?” É claro que só os que foram regenerados tem esse tipo de visão de si mesmo, no entanto, há muitos que professam o cristianismo e não reconhecem a sua condição miserável diante de um Deus Santo, Justo, Bondoso. Aqueles que têm uma visão de Deus e estão em sua presença não tem outra palavra a dizer a não ser “Ai de mim! Estou perdido! Pois sou um homem de lábios impuros e vivo no meio de um povo de lábios impuros; e os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos! (Isaias 6.5). Esse mesmo sentimento de total imundícia, de imperfeição, que teve o profeta Isaias, tem todo ser humano que se encontra com Deus, tem todo àquele que foi regenerado. A nossa pecaminosidade fica escancarada diante dEle.
Mas a mensagem da atual sociedade é: “ame-se a si mesmo”, “valorize-se”, “você pode”, “você merece ser feliz (muitas vezes essa frase é dita em contextos onde o outro será prejudicado, ou seja, ser feliz a qualquer custo)”. O “EU” é o ser mais valorizado em nossa atual sociedade. Vivemos numa Era onde se busca desenfreadamente os “próprios interesses” custe o que custar, onde o outro (o próximo) é usado para alcance dos objetivos do “EU”. Mas não é assim com o ser humano que tem a semente de Deus, o homem e a mulher que foram tocados pelo Senhor e receberam vida dEle andam em novidade de vida. O ser humano que foi tocado pelo amor de Deus, que contemplou e contempla a beleza da Sua Santidade, tem nojo de si mesmo por causa das suas próprias iniquidades (Ezequiel 36.22-32), diante de um Deus belo vemos com perfeição a nossa feiura. E por causa desse amor essas pessoas que conhecem a Deus agem de forma diferente, eles agem para agradar a Deus, eles vivem e fazem tudo para a glória de Deus! O amor de Deus em Cristo Jesus os constrange a serem diferentes, a fazerem a diferença onde vivem, onde passam, tudo isso para a glória de Deus.
Amar o próximo como a si mesmo é uma das características daqueles que foram regenerados. Estes conseguem agir dessa forma, pois tem o amor de Deus que foi derramado em seus corações pelo Espírito Santo que Deus deu (Romanos 5.5).
Abaixo seguem algumas passagens que falam da responsabilidade de todo ser humano, principalmente os filhos de Deus, de amar o próximo como a si mesmo.
“Não procurem vingança, nem guardem rancor contra alguém do seu povo, mas ame cada um o seu próximo como a si mesmo. Eu sou o Senhor.” (Levítico 19.18)
Ele respondeu: “‘Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todas as suas forças e de todo o seu entendimento’ e ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’”.(Lucas 10.27)
Pois estes mandamentos: “Não adulterarás”, “não matarás”, “não furtarás”, “não cobiçarás”, e qualquer outro mandamento, todos se resumem neste preceito: “Ame o seu próximo como a si mesmo”.(Romanos 13.9)
Toda a lei se resume num só mandamento: “Ame o seu próximo como a si mesmo”.(Gálatas 5.14)
 Se vocês de fato obedecerem à lei real encontrada na Escritura que diz: “Ame o seu próximo como a si mesmo”, estarão agindo corretamente. (Tiago 2.8)
“Ame o seu próximo como a si mesmo”. Podemos encontrar dois erros de interpretação nessa frase que “dificultam” as pessoas de obedecerem esse mandamento. O primeiro erro tem haver com o termo próximo, pois quem é o meu próximo? O segundo erro tem haver com o termo “amar como a si mesmo”, isso significa que eu primeiro tenho que me amar para poder amar o meu próximo como a mim mesmo? Vamos dividir em duas etapas para poder responder essas questões.
Em Lucas 10.25-37 temos a parábola do bom Samaritano contada por Jesus Cristo em resposta a um doutor da lei que queria coloca-lo a prova. O doutor da lei começou bem, resumindo a lei em: amar o Senhor o seu Deus de todo o coração e ao próximo como a si mesmo, mas querendo se justificar perguntou: quem é o meu próximo? Jesus então conta uma parábola para mostrar aquele doutor quem era o próximo dele. Baseado nessa parábola do bom Samaritano nós podemos inferir algumas considerações sobre quem é o nosso próximo.
1.    QUEM É O MEU PRÓXIMO?
  1. Meu próximo é qualquer um que eu encontrar que tenha uma necessidade. Você encontra pessoas nessas condições diariamente? O que você faz para suprir a necessidade delas? O que você faz para aliviar a dor dessas pessoas? A essa altura é bom dizermos que existe uma diferença entre necessidade e desejo, eles não são sinônimos. Necessidade são coisas que privam a pessoas de ter uma vida em abundância, existem coisas que desejamos, mas que podemos viver sem elas, entretanto, aquilo que necessitamos, quando vivemos sem essas coisas, a nossa vida tornar-se amarga e dolorosa. A necessidade quando não é suprida enfraquece, humilha, e muitas vezes leva a morte. Assim era aquele Samaritano ferido na estrada, ele tinha sérias necessidades que se não fossem assistidas o levaria a morte.
  2. Meu próximo inclui todas aquelas pessoas que eu convivo diariamente e que tenham uma necessidade. Isso inclui não só os meus familiares, mas colegas e amigos também se enquadram nesse quadro. Os desconhecidos necessitados que estão no meu caminho também são os meus próximos.
  3. Meu próximo inclui todos os meus irmãos em Cristo Jesus que tenham alguma necessidade.
  4. Meu próximo inclui todos os meus inimigos, aquelas pessoas que não querem o meu bem, aquelas pessoas que me perseguem, aquelas pessoas que me rejeitam, aquelas pessoas que não gostam de mim e tentam de todas as maneiras me prejudicar de alguma maneira, aquelas pessoas que não se importam comigo. Essas são as pessoas mais necessitadas.
Ao mostrar compaixão aos necessitados, e todos nós temos algum tipo de necessidade que precisa ser suprida, mostramos o amor de Deus através de nossa vida. Quando eu cuido, me importo e faço tudo, o que está ao meu alcance, para suprir a necessidade das pessoas, que eu encontro em necessidade, em minha caminhada pela vida, quando atuo dessa maneira eu estou permitindo que Deus ame essas pessoas através da minha vida.  A grande questão é: eu estou me comportando como uma pessoa que ajuda os outros? As pessoas sentem-se amparadas por mim? Eu cuido dos outros, daqueles ao meu redor que tem necessidades? Eu estou permitindo Deus amar as pessoas através da minha boca, através das minhas emoções, através dos meus dons, através dos meus recursos, através das minhas mãos, através do meu conhecimento, através da minha vida?
2.    O QUE É AMAR O PRÓXIMO COMO A SI MESMO?
Eu preciso me amar primeiro para que eu possa amar o meu próximo como a mim mesmo? É isso o que o texto está dizendo?
a.    Algumas pessoas, ao fazerem uma exegese errada desse texto, o entendem como um mandamento ao invés de compreender ele como uma afirmação.  Ou seja, essas pessoas entendem, que o que Jesus está dizendo aqui, é que a pessoa precisa amar-se a si mesma antes de cumprir a segunda parte do versículo (que na verdade é a primeira), ou seja, amar o próximo, só assim elas poderão cumprir esta “segunda” parte, só se amarem verdadeiramente a si mesmas antes. Esse é o primeiro erro.
b.    Outras pessoas pensam que Jesus está falando nesse versículo da autoestima, de aceitar-se a si mesmo, de ter uma boa autoimagem, de valorizar-se antes de tudo e de todos. As pessoas que pensam dessa maneira dizem: “Como você pode amar o próximo se você não se ama?” “Como você pode amar o próximo se você não se valoriza?” “Como você pode amar o próximo se você não cuida de si mesmo?” “Como você pode amar o próximo se você não tem a sua autoestima elevada?” “Como você pode amar o próximo se você não se aceita como você é?” Essas e tantas outras baboseiras as pessoas fazem com o texto bíblico, distorcendo-o para a sua própria condenação.
Quando Jesus diz que você tem que amar o próximo como a si mesmo, ele não está dizendo que você precisa se amar, ele sabe que você se ama, ele sabe que você se cuida e busca o melhor para você, porque você se ama.  Em outras palavras esse versículo está dizendo que: “Você deve amar o seu próximo assim como você, na verdade, já ama a Si mesmo”. Não existe um ser humano que não se ame, até mesmo as pessoas que cometem violências contra si mesmas, como é o caso do suicídio, o fazem em nome do amor a si mesmas, para estancar uma dor profunda em suas almas. Paulo disse isso aos cristãos de Éfeso, veja: “… ninguém jamais odiou o seu próprio corpo, antes o alimenta e dele cuida…” (Efésios 5.29). Todos nós cuidamos de nós mesmos, cada um a sua maneira, com o propósito de sermos plenamente realizados, felizes, satisfeitos.
Interromper o que você está fazendo, gastar a sua energia, parar de perseguir os seus desejos, fazer cessar tudo isso em busca da satisfação do próximo, é interromper a sua jornada para prestar ajuda ao seu próximo, é ser o bom Samaritano, é estimar o próximo, é ter um coração completamente disposto a ajudar o necessitado que está no seu caminho, ou seja, que está no seu campo de visão, que está o seu alcance, não o seu alcance financeiro, mas ao seu alcance físico, ao seu alcance emocional. Você tem o coração disposto para buscar o bem de outra pessoa?
Amar o próximo é buscar para ele o mesmo que você busca para você. Se eu tenho um prato de comida e o meu próximo não tem, amá-lo como a mim mesmo, significa que eu vou empregar o mesmo esforço que uso para me alimentar, para alimentá-lo. Se eu tenho um emprego e o meu próximo não tem, amá-lo significa ajuda-lo a conseguir um emprego. Eu poderia utilizar vários outros exemplos, mas acredito que você já entendeu o que significa amar o próximo como a si mesmo.
“Todo pecado vêm do desejo de ser feliz, separado da glória de Deus e do bem dos outros”. (PIPER, 2003, pág. 176). Todo pecado vem do desejo de buscar a própria glória e não a glória de Deus no serviço ao outro, todo pecado vem do desejo de buscar os meus desejos, e até as minhas necessidades, acima da vontade de Deus, mesmo que isso implique em prejuízo para o meu próximo. Todo pecado vem do desejo de buscar a minha felicidade a qualquer custo, mesmo que não seja em Deus e que roube a felicidades dos outros. Esse é o orgulho, achar que todas as coisas convergem para que EU seja feliz e plenamente realizado, mesmo que isso não passe por minha mente, passa diariamente por minhas práticas, é a maneira como vivemos. Orgulho é ter a presunção de que eu posso ser feliz e plenamente realizado sem Deus e sem querer e fazer para o próximo o que eu quero e faço para mim. “Orgulho é a presunção de que podemos ser felizes sem depender de Deus como a fonte da nossa felicidade e sem nos importarmos se outros encontram sua felicidade em Deus. Orgulho é a paixão de ser feliz, contaminada e corrompida por duas coisas: 1) a indisposição de ver Deus como a única fonte da alegria verdadeira e duradoura; e 2) a indisposição de ver que Deus quer que outras pessoas recebam de nós a alegria nele. Se você toma o desejo de ser feliz e tira dele Deus como a fonte da sua felicidade e as pessoas como recebedoras da sua felicidade, o que resta é orgulho. Orgulho é a busca de felicidade em todo lugar, menos na glória de Deus e no bem dos outros”. (PIPER, 2003, pág. 176).
            Você ama a o seu próximo como você mesmo? O que você faz em sua caminhada que demonstra esse amor pelo seu próximo? Você busca a satisfação do outro, assim como você busca a sua própria satisfação? Você acredita que a raiz de toda a infelicidade que você vive está no fato de você procurar a felicidade fora de Deus e sem querer ajudar o próximo? Você acredita que a pessoa só pode ser feliz quando busca felicidade em Deus e ajuda o próximo a encontrar essa mesma felicidade em Deus? Em sua opinião, felicidade e prazer são as mesmas coisas?
“Assim, em tudo, façam aos outros o que vocês querem que eles lhes façam; pois esta é a Lei e os Profetas”. (Mateus 7.12)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *