A Tristeza segundo o mundo na vida de Judas e a Tristeza segundo Deus na vida de Pedro

A tristeza segundo Deus produz um arrependimento que leva à salvação e não remorso, mas a tristeza segundo o mundo produz morte. 2º Coríntios 7:9
Pedro já havia sido avisado, mas ele não acreditou. Pensou que fosse um herói, que salvaria seu mestre ou até mesmo que morreria junto com ele, se isso fosse preciso (Lucas 22.31-34), mas isso não aconteceu, ele estava enganado e o seu engano logo se tornou público, ele não aguentou a pressão – Pedro negou Jesus.
Então Pedro se lembrou da palavra que Jesus tinha dito: “Antes que o galo cante, você me negará três vezes”. E, saindo dali, chorou amargamente. (Mateus 26.75)
Esse poderia ter sido o fim da história de Pedro e talvez nunca mais ouviríamos falar dele, mas sabemos que isso não aconteceu. Pedro foi restaurado, mas antes de ser restaurado ele foi moído, humilhado por sua própria jactância e pecado. Pedro caiu em si, olhou para a sua própria arrogância e caiu em prantos, profundamente envergonhado e entristecido, uma “tristeza segundo Deus”, Pedro “chorou amargamente”.
Judas também se entristeceu e reconheceu o seu pecado, pois ele disse: “pequei, pois traí sangue inocente”, porém não se arrependeu. Judas não suportou o peso do seu próprio pecado e tentou fazer reparação por si só ao devolver a moedas, pensava que com isso encontraria paz, como não encontrou ele se enforcou, e isso não findou os seus problemas, mas apenas perpetuou por toda a eternidade – tormento sem fim. Judas sentiu a tristeza do mundo, aquela que apenas se ressente por causa da punição que advém do erro, e não aquela que se entristece por ofender a santidade de Deus.
Os dois, Pedro e Judas, reconheceram que tinham cometido um grande pecado, Pedro negou Jesus, Judas traiu Jesus, ambos ficaram profundamente tristes por conta do erro cometido, um buscou reparação por si só, o outro buscou perdão, um teve um tristeza segundo o mundo que produz apenas remorso e gera condenação, o outro teve uma tristeza segundo Deus que produz arrependimento verdadeiro que leva a salvação.
Duas pessoas diferentes, dois pecados distintos, duas atitudes parecidas, mas não semelhantes, duas tristezas, mas quanta diferença. Pedro e Judas, ambos reconhecem o próprio pecado, um se arrepende, o outro sente um remorso.
Quando Judas, que o havia traído, viu que Jesus fora condenado, foi tomado de remorso e devolveu aos chefes dos sacerdotes e aos líderes religiosos as trinta moedas de prata. E disse: “Pequei, pois traí sangue inocente”. E eles retrucaram: “Que nos importa? A responsabilidade é sua”. Então Judas jogou o dinheiro dentro do templo, saindo, foi e enforcou se. (Mateus 27.3-5)
Aqui temos o exemplo de dois tipos de tristeza, o falso arrependimento, que podemos chamar de remorso e leva a condenação eterna, e do verdadeiro arrependimento que leva a vida eterna. Ambos reconhecem o pecado contra Deus. Você reconhece o seu pecado contra Deus? Ambos se entristecem por conta do seu pecado, você se entristece por conta do seu pecado? Ambos tem atitudes diferentes em relação ao ofendido. Judas nem sequer busca Jesus para confessar o seu pecado, se tivesse feito isso teria sido perdoado e restaurado, mas ele procurou os seus próprios meios para solucionar um problema que só Deus poderia fazer. Pedro busca Jesus, busca o seu perdão e consequentemente é restaurado e torna-se um dos líderes da Igreja de Jerusalém. A sua atitude assemelhasse mais com a de Judas ou com a de Pedro? Você buscar fazer “coisas” para reparar o seu pecado? Ou busca o perdão de Deus, como Pedro?
São duas atitudes completamente diferentes, mas que terão consequências eternas, durante toda a sua existência, não só nesta era, mas também na era que há de vir, no pós tumulo.
A história de Pedro e Judas ilustra a importância de conhecermos o que é o verdadeiro arrependimento conforme a Bíblia ensina, para não incorrermos no erro de Judas e sofrer a consequência eternamente.
O arrependimento conforme a Bíblia ensina é de importância vital para a nossa salvação, por isso esse espaço também será dedicado para entendermos o que a Bíblia ensina sobre o arrependimento e para vermos exemplos na Bíblia e na história da Igreja Cristã de homens e mulheres que, de fato, arrependeram-se verdadeiramente e demonstraram isso através dos frutos que a Bíblia ensina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *