17 DE JUNHO – O ANIVERSÁRIO DA MINHA MORTE

Foi exatamente há 15 anos num Domingo de Junho que tudo aconteceu. Eu estava sem rumo, sem direção, completamente perdido e sem poder me ajudar. Naquela época o Brasil e o mundo eram bem diferentes do que é hoje, naturalmente. Naquela época, Gustavo Kuerten tinha acabado de ser tri campeão de Roland Garros na França; a seleção brasileira era tetra campeã; Jorge Amado e Cássia Eller estavam vivos; ainda não tinha acontecido o ataque terrorista as torres gêmeas nos Estados Unidos. Fatos que marcaram a história do Brasil e do Mundo, que mudaram a vida de muitas pessoas, inclusive a minha existência para sempre.
Sábado, 16 de Junho de 2001. Nos preparamos para sair, como fazíamos todos os finais de semana, só que daquela vez o meu irmão nos acompanhou. Não me recordo todos os lugares em que fomos naquele dia, acho que não fomos há muitos lugares, pois não tínhamos dinheiro, e geralmente andávamos por Santana, só por Santana, pois não tínhamos condições de ir para lugares muito longe e também estávamos desempregados, os três, fazíamos apenas trabalhos temporários – mais conhecido como “bicos”.
O Sábado já havia passado e o Domingo chegado e com ele uma nova era se iniciaria em minha vida, Continuar lendo

A INTOLERÂNCIA DA TOLERÂNCIA – Parte 1

O que é intolerância? O que é tolerância? Será que os brasileiros são um povo tolerante ou intolerante? De acordo com o dicionário Michaelis , Intolerância é a “falta de tolerância”. Já a Tolerância “é o ato ou efeito de tolerar”, por sua vez, tolerar significa “levar com paciência”, “suportar com indulgência”, “condescender com”, mas a partir daqui o dicionário Michaelis já dá outra conotação ao significado da palavra tolerar, vejamos: de acordo com o dicionário Michaelis tolerar é “Condescender com; dissimular certas coisas, sem, no entanto as consentir expressamente, uma vez que não seja lícitas”, o problema aqui fica na primeira parte que diz que tolerar é “condescender com”, o problema é que condescender é concordar, no entanto é possível o sujeito aceitar opiniões contrárias a sua sem com tudo concordar com elas. Pois entre aceitar em que posições contrarias existam e que sejam defendidas por outros e concordar com as posições contrárias como verdade igualmente válidas existe uma diferença significativa. Conforme D.A Carson afirmou “Aceitar a existência de uma posição diferente ou oposta e seu direito de existir é uma coisa, mas aceitar a posição em si significa que a pessoa não mais se opõe a ela”. (D.A. CARSON em A Intolerância da Tolerância, pág. 13) Essa tolerância pós-moderna, chamada por D.A. Carson de a nova tolerância “sugere que aceitar a posição do outro significa crer que essa posição seja verdadeira ou, pelo menos, tão verdadeira quanto sua própria. Mudamos de permitir a livre expressão de opiniões contrárias para aceitar todas as opiniões; saltamos da permissão da articulação de crenças e argumentos dos quais discordamos para a afirmação de que todas as crenças e todos os argumentos são igualmente válidos. Assim passamos da antiga para a nova tolerância”. (D.A. CARSON em A Intolerância da Tolerância, pág. 13) O outro problema fica na segunda parte, pois o que é licito? O que é ilícito? Quem é que define o que é licito e o que não é? Aquilo que é licito ou ilícito é definido por uma verdade universal ou pelo subjetivismo do individuo ou pela estrutura de plausibilidade de uma sociedade? Outros significados que o dicionário Michaelis da para a palavra tolerar é “admitir”, “dar tácito consentimento a”, “assimilar”, “digerir”, “suportar”. Continuar lendo

ABEL: A FÉ QUE RECEBE APROVAÇÃO DE DEUS

Pela fé Abel ofereceu a Deus maior sacrifício do que Caim, pelo qual alcançou testemunho de que era justo, dando Deus testemunho dos seus dons, e por ela, depois de morto, ainda fala. (Hebreus 11:4)
As coisas mais importantes da vida, aquelas que agradam a Deus, são realizadas pela fé, pois qualquer ato, ainda que seja ele o mais nobre entre os homens, se não for feito pela fé, será um insulto para Deus, pois sem fé é impossível agradar a Deus (Hebreus 11.6), pois por mais que sejam obras excelentes, só terão valor se forem feitas pela fé. Temos visto até aqui que a Fé é o elemento que faz com que homens e mulheres adequem as suas vidas em vista das grandiosas promessas de Deus. Assim os antigos agiram (os homens de Deus mencionados nesse capítulo a partir do versículo 4) e alcançaram bom testemunho de Deus. A fé também é um elemento fundamental para o perfeito conhecimento, pois “pela fé entendemos”, quem não crê não compreende até as verdades mais simples que existem. Agora chegamos ao ponto de ver Abel entrando em ação pela fé. E é essa fé de Abel que fez com que ele fosse aprovado diante de Deus. Continuar lendo

A Tristeza segundo o mundo na vida de Judas e a Tristeza segundo Deus na vida de Pedro

A tristeza segundo Deus produz um arrependimento que leva à salvação e não remorso, mas a tristeza segundo o mundo produz morte. 2º Coríntios 7:9
Pedro já havia sido avisado, mas ele não acreditou. Pensou que fosse um herói, que salvaria seu mestre ou até mesmo que morreria junto com ele, se isso fosse preciso (Lucas 22.31-34), mas isso não aconteceu, ele estava enganado e o seu engano logo se tornou público, ele não aguentou a pressão – Pedro negou Jesus. Continuar lendo

O QUE É FÉ? – OS MODELOS DE FÉ DO ANTIGO TESTAMENTO NA CARTA AOS HEBREUS – PARTE 2 – Uma Descrição da Fé

.Estamos explorando o tema fé conforme a Bíblia, pois esse é um tema muito importante para cada ser humano, pois tem implicações para nossa vida aqui nesta era e para a nossa existência no futuro pós-túmulo, ou seja, na eternidade ou como a Bíblia chama: na próxima era. Começamos no artigo anterior fazendo uma descrição da fé a partir de Hebreus 11.1-2. Naquele estudo vimos que Hebreus 11.1-2 não é uma definição completa daquilo que a Bíblia chama de fé, entretanto, nós trabalhamos duas descrições importantes que o autor de Hebreus faz referente à Fé. Na primeira descrição vimos que a fé é a hypostasis daquilo que esperamos, ou seja, é uma antecipação daquilo que receberemos nos céus, é uma garantia de que receberemos o restante, é um documento que comprova que receberemos o restante das promessas de Deus, não é a promessa em si, mas garantia de que receberemos ela, portanto uma certeza. Vimos também que a fé é elenchos daquilo que não vemos, ou seja, é a prova, é a demonstração, é uma evidencia de que receberemos todas as promessas de Deus para nós em Cristo Jesus, a própria fé é uma evidência das coisas que não vemos. Essa fé possibilita-nos viver a vida dos céus aqui na terra, pois parafraseando C. S. Lewis, se pensamos no outro mundo, somos eficazes nesse mundo, pois a fé possibilita ajustarmos as nossas vidas em função das grandiosas e graciosas promessas de Deus para nós em Cristo Jesus. Continuar lendo